Livro revive o dia em que os OFFICE BOYS pararam a capital

PIVETES ENLOUQUECIDOS QUEBRAM TUDO E REVELAM A FACE OCULTA DE SÃO PAULO

De autoria do jornalista Gilberto Lobato Vasconcelos, mais conhecido como Giba, que trabalhou por muitos anos no antigo Diário Popular, o livro Revolução dos Boys põe na mesa, para discussão, um episódio que, há 30 anos,  deixou São Paulo de pernas pro ar e pegou de surpresa até mesmo a truculenta repressão da ditatura militar que reinava no País. Tudo aconteceu no dia 14 de setembro de 1979, uma sexta-feira, quando uns mil pivetes que trabalhavam como office boys resolveram detonar o centro de São Paulo, numa revolta sem alvo definido, mas que mostrou, conforme o subtítulo do livro, a "face oculta da cidade".
Office boys, para as pessoas com DNA mais recente, eram adolescentes que realizavam, nos escritórios e bancos, pequenas tarefas internas e de rua. No final da década de 1970, geralmente a pé, para economizar o dinheiro da condução e gastá-lo nas máquinas de fliperama – precursoras dos games de hoje –, eles faziam serviços bancários, conduziam documentos, realizando algo perecido com o que fazem atualmente os motoboys.




NEM REPRESSÃO CONSEGUIU BRECAR - A revolta explodiu no centro da cidade, onde, no pátio da tradicional Faculdade de Direito do Largo São Francisco, bancários realizavam uma assembléia para discutir o fracasso de uma greve recém-promovida, a repressão e a proposta dos patrões às suas reivindicações. Com idades entre 14 e 16 anos, eles resolveram fazer algo que pegou de surpresa bancários, patrões, comerciantes, polícia e a imprensa. Ao meio-dia reuniram-se diante de uma agência bancária da Rua Boa Vista, antigo centro bancário de São Paulo, e passaram a gritar palavras pouco carinhosas contra policiais e fura-greves. A polícia tentou dispersá-los, mas só fez aumentar a confusão, que se transformou em passeata e num quebra-quebra que transtornou o coração da cidade.



'FUTEBOYS' E MÚSICA - O livro alinha as manchetes dos principais jornais da época, para mostrar as diferentes visões da mídia impressa sobre o fato, trazendo desdobramentos importantes da explosão dos office boys, como o Futeboys, uma competição de futebol de salão concebida pelo publicitário Carlito Maia e realizada na hora do almoço da garotada, em plena praça, e com a narração do mais famoso locutor de rádio da época: Osmar Santos. Resgata ainda a história da música “Sou Boy”, que no início dos anos 1980 fez sucesso com o roqueiro Kid Vinil e o grupo Magazine.




Revolução dos Boys é uma edição independente, com a contribuição de vários amigos do autor. Para adquirir o livro, envie um e-mail para gilovas@uol.com.br , ou ligue para 9112-2463. Com 100 páginas, o livro custa R$ 30,00 se comprado através dos contatos acima. Nas livrarias, custará R$ 38,00.

Talento e categoria. Mas com vergonha na cara

MAIOR CRAQUE DE FUTEBOL
DO BRASIL É UMA MULHER


Com mais um autêntico show de bola, digno dos tempos de Pelé, Coutinho e Cia.,  o Santos massacrou o Caracas por 11 a 0 na Vila Belmiro e garantiu a classificação antecipada para as semifinais da Copa Libertadores Feminina. No jogo anterior, a vitória das 'Sereias da Vila' foi de 12 a 0.
Marta (foto) fez dois gols e mais uma vez esbanjou categoria ao lado de Cristiane, a artilheira da Libertadores, que comprovou seu 'faro de gol' ao anotar cinco dos 11 gols santistas. Fran (2), Maurine e Érika completaram a goleada do Santos.
Chega a ser emocionante o empenho e dedicação do time feminino do Santos. Só para não me alongar, cito um exemplo. Era o final do primeiro tempo e o time já vencia por 6 a 0. Marta perdeu uma bola no ataque. Pensa que ela ficou parada, como fazem os craques masculinos? De jeito nenhum. Cheia de brio e garra foi atrás da jogadora venezuelana e tirou-lhe a bola. Esse time do Santos é um exemplo que deveria ser seguido pelo próprio time masculino do Santos e pelos futebolistas de todo o País. Talento só não é suficiente. É preciso ter brio, vergonha na cara e respeito pelo torcedor.
Já escrevi no Twitter do blog, que se o Notícias Populares, o jornal, fosse vivo daria a seguinte manchete: MAIOR CRAQUE DE FUTEBOL DO BRASIL É UMA MULHER. É claro que estamos nos referindo à Marta.
Mas todo o time feminino do Santos é muito bom e vale a pena ser prestigiado, como ocorreu na Vila, neste sábado (10/10). O jogo foi disputado perante um público de 8.263 pessoas, número muito parecido e até maior que as presenças registradas em jogos do time masculino do próprio Santos.
A vitória deu ao Santos a liderança do grupo 1 da Libertadores feminina com nove pontos em três jogos, com 26 gols marcados e apenas um sofrido. O resultado positivo também ampliou a série de jogos sem perder do Santos na temporada - agora já são 55 partidas seguidas sem saber o que é ser derrotado.
O Santos volta a jogar nesta terça-feira, 13/10, às 15h30 contra o Everton, do Chile, em duelo que decide o primeiro lugar da chave.

Contagem regressiva Rio2016

OLIMPÍADAS DO RIO 2009 TEM TIRO DE BALA
DE BORRACHA E LANÇAMENTO DE GÁS PIMENTA

A eleição do Rio de Janeiro para sede das Olimpíadas de 2016 foi empolgante e representou mais um passo para nos livrarmos de vez do ‘complexo de vira-latas’, que o genial Nelson Rodrigues – criador da expressão – imaginou extinto a partir da conquista da Copa do Mundo de 1958, na Suécia.

A realidade, porém, mostra que vamos ter de suar muito a esportiva camiseta para tornar realidade o sonho de fazer das Olimpíadas de 2016 a melhor da história.

Haja vista o tumulto desta quinta-feira, na Central do Brasil, que teve lances muito pouco olímpicos, como lançamento de gás pimenta e tiros de balas de borracha, resultando em cinco feridos.

Ontem, confusão semelhante, por causa de atraso de trens, resultou em 11 feridos na estação de Nilópolis.

Pois é: até que a tocha olímpica seja acesa no Rio, muito incêndio terá de ser apagado na cidade maravilhosa.