Guarulhos ganha revista que vai dar o que pensar

Idealizada pelo jornalista Chico Soares, amigo de longa data do criador deste blog, será lançada neste domingo em Guarulhos, na sede do Sindicato dos Feirantes, a revista VivaGuaru, que nasce com a proposta de praticar um jornalismo com foco no desenvolvimento sociambiental.
A capa da edição número 1, que já está circulando pela cidade e região, aborda a luta pela manutenção de um espaço público de troca e de conveniência chamado feira livre.
Segundo o texto de apresentação assinado por Chico Soares, a reportagem de capa revela “como a união do poder público e da sociedade organizada em suas diversas formas pode transformar modelos tradicionais em equipamentos modernos perfeitamente sintonizados com as necessidades de consumo e de relações humanas”.
A idéia, como diz o slogan da revista, é desenvolver uma publicação para o que guarulhense possa pensar e viver Guarulhos, cidade que tem um aeroporto internacional e será uma das portas de entrada para os megaeventos que acontecem nos próximos anos no País - a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada 2016.
Se você pretende anunciar na nova revista e quiser mais informações envie mensagem para vivaguaru@gmail.com .

Inauguração de escritório político agita Sto. André

Festa do deputado Carlos Grana
reúne centenas de pessoas no ABC
Povão tomou conta do escritório
Com a pré-candidatura a prefeito de Santo André praticamente garantida, o deputado estadual Carlos Grana, do PT, inaugurou em grande estilo, na noite desta sexta-feira, 29/7, o seu escritório político na cidade.
Valdir, Grana e pastor José
A festança, animada pelo grupo de forró Cabeça Fria, reuniu centenas de correligionários e lideranças da cidade e região, como Valdir Reis, presidente da Associação dos Feirantes por Ramo de Santo André (Aferasa), e o pastor José, da igreja Assembleia de Deus.
Grana: Lula visitará espaço em breve
Em sua breve saudação aos presentes, o deputado afirmou que o ex-presidente Lula só não compareceu à festa em virtude de compromisso assumido anteriormente. Garantiu, porém, que o ex-presidente estará brevemente no escritório, que fica num prédio que até pouco tempo abrigava uma clínica de repouso, na rua Coronel Francisco Amaro, no centro.

Venha nadar e pescar nos parques de Santo André

Cidade do ABC libera tudo
nos parques públicos. Até
armar rede entre árvores...
Não é invencionice do NP, não. Deu no Diário do Grande ABC deste sábado: pescar, nadar, andar de skate ou patins, empinar pipa, andar de bicicleta, instalar redes nas árvores, consumir bebidas alcoólicas, praticar comércio ambulante, plantar ou retirar árvores sem autorização e passear com cães sem coleira ou focinheira (não fucinheira, como está no jornal) – tudo isso passou a ser permitido nos parques de Santo André.
As restrições, que haviam sido impostas há 50 dias, por decreto, foram revogadas, porque a prefeitura “suíça” de Santo André decidiu investir – pasmem – na educação ambiental do povo.
“Primeiro, vamos oferecer educação ambiental para a população. Depois, vamos estudar o retorno do decreto”, justificou esfarrapadamente o secretário de Obras e Serviços Públicos, Alberto Rodrigues Casalinho.

Este é o posto da GCM no Parque Celso Daniel: todo pichado
Já pichou o posto da GCM hoje? – O listão de proibições foi publicado no dia 29 de maio, e a prefeitura pretendia até espalhar placas informativas nos locais em que as normas deveriam ser acatadas.
Felizmente nenhuma placa foi afixada, o que, diante do “liberou geral” recém-decidido, significou um gasto a menos aos cofres públicos...
A medida – se é que se pode chamar isso de medida – também livrou a cara da Guarda Civil Metropolitana, que ficaria responsável pelo cumprimento das restrições, com poder para multar ou encaminhar para a delegacia os transgressores.
Posto da Guarda Civil está sempre vazio
Aliás, a GCM, em se tratando de parques, nunca disse a que veio em Santo André. Prova disso pode ser encontrada no badernado Parque Celso Daniel, onde a Guarda nunca está presente e tem o seu posto no local totalmente pichado, como mostram as fotos do Celular Implacável NP.

Venha e traga sua rede – No Parque Celso Daniel, as pessoas jogam lixo por todo canto e dão comida aos animais sem a menor cerimônia. Imagine-se agora o que vai acontecer com o “liberou geral” da prefeitura andreense, como gosta de etiquetar o portentoso Diário do Grande ABC.
Liberdade para nadar, pescar e alimentar bichos
Teremos pessoas nadando nos lagos ou pescando carpas e outros peixes nas águas recobertas por ninféias, a charmosa planta aquática retratada nas valiosas pinturas de Monet.
Nos fins de semana, em meio às árvores, muitas redes para se escanchar e curtir uma soneca depois daquele delicioso churrasquinho em família ou entre amigos, feito em tambores cortados...
Ah, churrasco não está na lista de liberação? Mas se pode vendedor ambulante, pode churrasqueira, fogareiro, qualquer coisa que toste uma boa carninha...

Jet Skis no Ibirapuera? – Estamos aqui a brincar, como diriam os lusitanos, mas a coisa é altamente preocupante. Imaginemos que medida semelhante venha a ser tomada no trânsito.
Nada de fiscalização, nem eletrônica nem humana, nada de multas, nada de regras... Vamos contar com o bom senso de motoristas e pedestres, e procurar educá-los após as transgressões.
Vamos passar o sinal fechado à vontade, invadir a faixa de pedestre, entrar na contramão sem medo de ser feliz. Afinal, como no caso dos parques, é preciso educar primeiro, para depois exigir o cumprimento das regras e punir quem não as cumpre...
E os paulistanos que rezem para que o exemplo de Santo André não seja seguido pelo prefeito NunKassab. Já imaginaram o Parque Ibirapuera totalmente liberado para o que der e vier?
Não sabemos sem há peixes para pescar, mas para a saudável prática da natação há um baita espaço... A única coisa a se preocupar é com os Jet Skis cortando o Lago do Ibirapuera em todas as direções e degolando ou aleijando um ou outro banhista imprudente... 



Vem aí 'VivaGuaru', a nova revista de Guarulhos

Alegrias e pepinos das feiras livres são
a matéria de capa da primeira edição
VivaGuaru: uma revista que vai dar o que falar
Com a proposta de praticar um jornalismo com foco no desenvolvimento sociambiental, está pintando, em Guarulhos, a revista VivaGuaru, idealizada pelo jornalista Chico Soares e que tem em seu Conselho Editorial, entre outros nomes, o criador deste blog.
A pegada da revista já pode ser sentida em sua matéria de capa da edição número 1, que aborda a luta pela manutenção de um espaço público de troca e de conveniência chamado feira livre.
Segundo o texto de apresentação assinado por Chico Soares, a reportagem de capa revela “como a união do poder público e da sociedade organizada em suas diversas formas pode transformar modelos tradicionais em equipamentos modernos perfeitamente sintonizados com as necessidades de consumo e de relações humanas”.

Muito para ler e comentar - O editor destaca ainda matéria assinada pelo autor deste blog – “Um sonho sem limites” –, onde vidas marcadas por restrições de mobilidade física dão um verdadeiro banho de superação e coragem, mostrando que nunca devemos desistir dos sonhos e que “tudo é possível para quem acredita que pode e vai à luta”.
A primeira edição de VivaGuaru traz ainda muita informação sobre as políticas públicas para as minorias étnicas, como negros, índios e ciganos, defendendo a necessidade de justiça e igualdade para que a sociedade encontre a paz duradoura e crie bases sólidas de desenvolvimento.
A nova publicação de Guarulhos tem também propostas novas de distribuição: boa parte de seus exemplares vai chegar aos leitores através das feiras livres espalhadas pelo município. Fique atento e garanta o seu exemplar.
Se você quiser mais informações sobre a revista envie mensagem para vivaguaru@gmail.com .
==========================================================
((clique sobre o anúncio para ver melhor))
==========================================================




Ouro de Tolo, o 1º grande sucesso de Raul Seixas

Baú do NP tem o compacto com
a música que deu fama a Rauzito
A música Ouro de Tolo colocou Raul Seixas nas paradas de sucesso do Brasil todinho. A canção saiu em compacto antes de o LP ser lançado.
Gravação da Philips com que Raul estourou a boca do balão
Pra quem não sabe compacto era um disco em vinil, geralmente com 33 rotações por minuto, com uma música em cada face. Já o LP ou Long Play era um vinilzão com mínimo de seis músicas de cada lado.
Para divulgá-lo, nas rádios e pelo Rio de Janeiro, Raul comandou uma passeata no dia 7 de junho de 1973, que percorreu a  Rua do Passeio e o aterro da Glória, até chegar ao centro da Cidade Maravilhosa.
Vestido em traje rigor, Raulzito caminhou de violão em punho e cantando. Uma blusa de pano de cortina confeccionada por sua esposa à época, Edith, fazia o papel de camisa. Todo mundo parava para olhar.
No lado 2:  A Hora do Trem Passar
Neste ano de 1973, o autor dessas mal-maltraçadas viu Raul em ação pela primeira vez no programa Clube dos Artistas, apresentado por Ayrton Rodrigues, na extinta TV Tupi.
Devia ser inverno, pois ele se apresentou no tradicional programa vestindo um casaco que parecia de pele. O pai deste escriba repudiou. Este escriba adorou e já o adotou como filósofo.
“Ah eu é que não sento no trono de um apartamento com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar...” O escriba – então com 16 anos, trabalhando como correspondente em Boituva do jornal Diário de Sorocaba – comprou o compacto Ouro de Tolo, que hoje faz parte do Baú do NP. 
Passeata no Rio, em foto da Editora Três
De um lado, como você pode ver nas fotos, Ouro de Tolo. Do outro uma música que quando parecia que ia começar acabava, chamada A Hora do Trem Passar, que nada tinha a ver com o famoso Trem das Sete.
Apesar de ter adoração pelo disquinho, este blogueiro está aberto a negociação. Afinal, para ficar rico com blog só mesmo vendendo a alma ao governo e recebendo polpudas quantias para defendê-lo, como fazem alguns renomados jornalistas e outros istas deste Brasil varonil.

----------------------------------------------------------------
----------------------------------------------------------------
((((clique no anúncio para ver melhor))))
---------------------------------------------------------------




Folheto ainda é usado por imobiliárias no ABC

Vetado na capital, é distribuído
livremente em toda a região

((Clique na foto para ver melhor))
Manhã de domingo, no Bairro Campestre, em Santo André. No cruzamento da Rua das Figueiras e Tietê com a Diogo Fernandes, um cenário deprimente, digno das mais porcas campanhas eleitorais.
Só que em vez dos tradicionais santinhos, dezenas de folhetos de um empreendimento imobiliário lançado na cidade cobriam o chão.
Banido de São Paulo pela Lei Cidade Limpa, o folheto continua sendo uma importante ferramenta de atração dos lançamentos imobiliários nos cruzamentos do ABC. Recentes matérias do Diário do Grande ABC mostraram que menores de idade continuam sendo explorados nesta atividade até como “placas ambulantes”, ficando ao relento por horas a fio, sem sequer um lugar para fazer as necessidades fisiológicas.
Os folhetos espalhados pelo chão no Campestre são de uma das gigantes do mercado imobiliário. É óbvio que quem jogou os folhetos é um irresponsável, mas as empresas deveriam zelar melhor pelo destino de sua publicidade.
Lei não sai do papel - O poder público deveria ir atrás de tais empresas e puni-las, para que elas tivessem mais cuidado ou mais criatividade no modo de chegar aos seus prováveis clientes.
Segundo o Diário do Grande ABC, em sua edição de 30/6, o projeto da Lei Cidade Limpa de Santo André ainda não saiu do papel. Há um ano e um mês a Câmara Municipal aguarda projeto elaborado pelo Executivo.
O secretário de Comunicação, Alexssander Soares, afirmou que projeto estava em fase final de formatação de texto, e garantiu, segundo o jornal, que na primeira sessão após o recesso do Legislativo, em agosto, já estará protocolado e pronto para ser discutido pela Casa.
Este blog e o Celular Implacável NP continuarão antentos.
(clique nas fotos para ampliá-las) 

Morre Billy Blanco, um apaixonado por Sampa

Billy captou a sinfonia paulistana
Morreu nesta sexta-feira, às 8h10, de parada cardíaca, o cantor e compositor Billy Blanco.
Com 87 anos, ele estava internado no Hospital Pan-Americano, na Tijuca (zona norte do Rio), desde 2 de outubro de 2010, quando sofreu um acidente vascular cerebral.
Natural de Belém, no Pará, estudou arquitetura em São Paulo, em 1946, mas já veio para cá como compositor. Depois se mudou para o Rio, onde a carreira ganhou novo impulso.
Billy foi precursor da bossa nova e parceiro de Tom Jobim, Baden Powell e João Gilberto.
Além da deliciosa "Estatutos da Gafieira" e outras composições muito bacanas, Billy foi o autor de Sinfonia Paulistana, onde a música "Amanhecendo" é uma homenagem linda a São Paulo.
O autor deste mal-traçado blog teve a feliz oportunidade de trocar algumas palavras com Billy num dia muito especial: o aniversário de São Paulo.
Era 25 de janeiro de 2000 e este escriba foi a uma missa realizada no Pátio do Colégio em homenagem aos 446 anos que Sampa então comemorava.
À parte a troca de farpas entre o governador Covas e o prefeito Pitta, mandários estadual e municipal naquela época, foi uma festa muito bonita em seu final, quando o famoso Amanhecendo, de Billy, foi tocado e interpretado por um grupo musical no palco montado no Pátio do Colégio.
Foi nessa hora que o criador deste blog conversou com Billy e pode sentir todo o carinho que ele tinha por São Paulo, apesar de viver mais no Rio de Janeiro.
Como tudo o que a gente pensa está na internet, aqui vai um vídeo com fundo musical de Amanhecendo, que foi popularizada como abertura do Jornal da Manhã, da Rádio Jovem Pan.
Ouça Billy contando como foi o seu envolvimento com a vida paulistana.

Prêmio oportunista é recusado por Amanda Gurgel

Professora que meteu a boca
na hipocrisia das autoridades
repudia premiação oportunista
de empresários de São Paulo

O site da revista Carta Capital acaba de informar: a professora Amanda Gurgel – aquela mesma que desceu o cacete no sistema educacional brasileiro em depoimento na Assembleia Legislativa do Rio Grande Norte – se recusou a receber prêmio oferecido pelo Pensamento Nacional de Bases Empresariais, associação mantida por um grupo de empresários paulistas, para, claro, defender seus próprios interesses.

NP fica feliz com a posição da professorinha, que, mais uma vez, mostrou que não fez aquele discurso – visto por um milhão de pessoas via YouTube – simplesmente para aparecer, mas, sim, para denunciar, com conhecimento de causa, o descaso e a maneira hipócrita com que as autoridades tratam a educação neste país.

A professorinha potiguar deixou bem claro que não é trouxa ao repudiar de forma veemente a homenagem oportunista que o PNBE pretendia lhe oferecer, na categoria “educador de valor” – com rima e tudo. Em sua justificativa, a professora destacou que, “embora exista desde 1994, esta é a primeira vez que esse prêmio é destinado a uma professora”.

Amanda Gurgel: não à mercantilização do ensino
“Esse mesmo prêmio foi antes de mim destinado à Fundação Bradesco, à Fundação Victor Civita (editora Abril), ao Canal Futura (mantido pela Rede Globo) e a empresários da educação. Em categorias diferentes também foram agraciadas com ele corporações como Banco Itaú, Embraer, Natura Cosméticos, McDonald’s, Brasil Telecon e Casas Bahia, bem como a políticos tradicionais como Fernando Henrique Cardoso, Pedro Simon, Gabriel Chalita e Marina Silva. A minha luta é muito diferente dessas instituições, empresas e personalidades”, disparou.

A corajosa Amanda, que em seu discurso na Assembleia se queixou do salário que recebe como professora e da situação do sistema de ensino tupiniquim, disse que seus projetos são “diametralmente diferentes daqueles que norteiam o PNBE”, grupo mantido por empresários paulistas e, segundo ela, comprometido apenas com “a economia de mercado”, “à mercantilização do ensino e ao modelo empreendedorista”.

Eu seu site pessoal, Amanda defende a valorização do trabalho docente e a elevação para 10% da destinação do Produto Interno Bruto para a educação. Com base nisso, Amanda fechou com chave de ouro sua justificativa para o não recebimento do prêmio: “Não quero que nenhum centavo seja dirigido para organizações que se autodenominam amigas ou parceiras da escola, mas que encaram estas apenas como uma oportunidade de marketing ou, simplesmente, de negócios e desoneração fiscal”.

É isso aí, gente: Amanda não baiana, mas é porreta que só a gota! Eita!