Trens da CPTM são lentos, lotados e velhos

USUÁRIA DO ABC DESCE A LENHA NAS
MENTIRAS E NO DESCASO DA EMPRESA
Ponto final da linha Turquesa no Brás transtorna a vida de moradores do ABC
Ninguém pode negar que a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), fundada em 1992, deixou um pouco menos caótico o transporte de passageiros sobre trilhos na capital paulista e em todo o seu entorno.
Mesmo assim, o serviço ainda está longe de ser aquilo que se imagina aceitável para o dia a dia de seus usuários e, principalmente, para um país que está às vésperas de sediar um evento tão gigantesco e grandioso como a Copa do Mundo.

MUDANDO PARA PIOR - O transporte ainda é lerdo, com superlotação em muitas linhas e poucos trens novos – apesar de a empresa alardear que efetuou a compra de dezenas de unidades novas.
Trens de passageiros vão a 10 por hora enquanto os trens de carga voam
Tudo isso sem contar as medidas idiotas que a empresa toma, ignorando qualquer lógica e sem a menor consulta aos seus usuários, como o fim da Estação Luz como ponto final para a linha 10 (Turquesa), que liga Rio Grande da Serra à capital, atendendo muita gente da Região do ABC.
Na Luz, a linha 10 se interligava à linha 7 (Rubi), que sai da Luz rumo a Francisco Morato. Como agora a linha 10 para na Estação Brás, os usuários têm de pegar um outro trem (Guaianases) até a Luz, passando por transtornos mil e encompridando o trajeto até o trabalho ou outros compromissos.
É o caso da internauta Mila Morel, que mandou uma extensa manifestação ao NP, a qual publicamos na íntegra. 
Mila, que mora no ABC, teve duplicado o tempo de sua viagem ao trabalho
Moro em Santo André e trabalho na Lapa. Portanto, o uso do transporte público ferroviário, nesse caso, me pareceu a melhor opção. Eu saía de casa às 13h45, chegava na estação Utinga às 14h05. Geralmente pegava o trem às 14h10, no máximo 14h15; chegava na estação da Luz às 14h45. Mesmo aguardando o trem da Linha 7, que sempre teve um intervalo maior do que o da linha 10, conseguia chegar ao meu trabalho às 15 horas, no máximo 15h05.Ou seja, descontando o tempo que gasto no trajeto a pé, da minha casa até a estação Utinga, que dá por volta de 20 minutos, eu gastava da estação Utinga à estação Lapa aproximadamente 50/55 minutos.

REFORMAS SÃO AS DESCULPAS  Ou seja, menos de uma hora de Utinga até a Lapa. Isso foi em 2008, 2009, 2010.... A partir do ano passado, por conta de reformas e melhorias que a CPTM diz que está fazendo, e eu digo ‘diz’ porque sinceramente só piorou de lá pra cá, tenho feito o percurso Utinga/Luz em UMA HORA! Mais 20 minutos da Luz até a Lapa, mais 20 minutos de casa até Utinga, tenho gasto mais de DUAS horas pra fazer o mesmo percurso que antes era feito em menos de UMA hora.
No Brás, passageiros têm de subir e descer escadas pra pegar trem para a Luz
Por quê? Vou dar um exemplo prático: hoje, dia 1º de março, cheguei à estação Utinga às 14h20. Tinha acabado de passar uma composição. Esperei o próximo que só veio às 14h40. E que só foi chegar ao Brás – porque agora a Linha 10 termina no Brás e não mais na Luz como era até o ano passado (na época mentiram para os usuários dizendo que a mudança seria só enquanto aconteciam as tais reformas dos trilhos e agora, a CPTM declarou que a decisão é definitiva) – às 15 horas. Ou seja: antes eu gastava 20 minutos de Utinga à Luz. Agora são 20 minutos até o Brás. Como assim? Uma estação a menos e demora mais? Ah, mas é porque o trem tem de andar devagarzinho por causa das obras.... Engraçado que, enquanto eu aguardava o trem em Utinga, passou uma composição enorme, com uns 30 vagões de carga, a milhão, numa velocidade que eu NUNCA vi o trem de passageiro andar. Ué? Não é estranho? O trem de carga que é muito mais pesado que o de passageiro pode correr e o de passageiro não pode "porque estamos em obras"?
Cheguei ao Brás. O trem descarrega as pessoas na plataforma 1. Aí a gente tem de subir escada rolante e descer escada rolante para embarcar na plataforma 3 por onde passa os trem da linha de Guaianazes que vão até a Luz. Com essa movimentação toda cheguei à Estação da Luz às 15h20, ou seja, uma hora depois de ter dado entrada na Estação de Utinga em SA. Cheguei ao meu trabalho às 15h40. Antes, chegava às 14h50/14h55.
Facilitou essa mudança da Luz para o Brás? Não. Os trens estão andando mais rápido apesar das reformas todas? Não. Diminuiu o intervalo entre os trens? Não, pelo contrário: estão mais lentos, mais lotados e com intervalos maiores.

CADÊ OS TRENS NOVOS ? O pior é olhar pela janela e ver passando numa das linhas um trem com a seguinte inscrição: Este é o 63º novo trem! Onde estão os novos trens? 63? Onde? Eu consegui usar um ou outro desses novos trens uma vez na vida outra na morte como se diz por aí. Na Linha 10, por exemplo, não tem NENHUM desses novos trens. Na linha 7, deve ter uns dois. Onde estão os outros 61?
Sem falar naquelas paradas tenebrosas no meio do nada que o condutor só sabe repetir como se fosse um robô: ‘paramos para aguardar movimentação do trem à frente’. Isso quando fala alguma coisa. A maioria fica em silêncio. O passageiro fica lá feito bobo sem saber o que vai acontecer. Por isso, muitas vezes se irrita, depreda as composições e sai andando pela linha. Porque quando os trens quebram os funcionários da CPTM não dão nenhuma assistência. Você vê ali senhoras com crianças, idosos e grávidas, pulando  para a linha de uma altura de mais ou menos 2 metros, correndo perigo, enfim, um descaso total. Vide recentes acidentes com vítimas!
CTPM: onde quer que esteja é sinônimo de aglomeração e sufoco
Sem falar quando você fica 20, 30, 40 minutos na estação aguardando uma composição chegar, vendo a plataforma lotar assombrosamente, sem a menor condição de acolher aquela multidão, e nenhum funcionário da CPTM aparece nessas horas. Eles desaparecem como por encanto. Nenhum aviso no sistema de alto-falante. Já passei por situações assim, elas são corriqueiras, não são exceção, não.
Bom, digamos que não tenha jeito mesmo que a CPTM vá manter essa decisão esdrúxula de deixar a Linha 10 terminar no Brás. Muito bem, então coloquem aqueles engenheiros todos, que devem ganhar muito bem e que, com certeza não andam de trem, pra racionar: por que a Linha 10 não faz o desembarque dos passageiros no Brás na plataforma 2, já que a maioria vai embarcar na plataforma 3 para ir em direção à Luz? Economizaria um bom tempo desses usuários.

TUDO PARA COMPLICAR E o embarque poderia ser feito na plataforma 1, sem o menor problema. Já na Luz, a gente desembarcava, vindo do Brás, na plataforma 3 e já embarcava na 2, rumo a Morato. Agora, claro, mudaram pra pior. O desembarque continua na 3, mas o embarque para Morato é na plataforma 1 (onde antes chegava a Linha 10). Então, perde-se um tempo precioso descendo e subindo escadas.
O desembarque de Morato é na 2, mas não há necessidade disso. Podia ser na 1 pra facilitar o embarque de quem vai pra Morato!  Mas, pra que facilitar se a gente pode atrapalhar? Ou, como dizem as más línguas: quando alguma coisa está ruim sempre pode piorar.
A CPTM parece mesmo um caso perdido. Acho que o Ministério Público devia investigar essa empresa de ponta a ponta. Tem muita história mal contada como essa de que a estação da Luz não comporta mais uma linha, de que a decisão de fazer do Brás a estação terminal da Linha 10 aconteceu após uma pesquisa de opinião. Mentira. Nunca participei de pesquisa nenhuma. Não conheço NINGUÈM que tenha participado e não conheço NINGUÉM que esteja gostando dessa mudança.
E como se explica o tempo gasto entre as estações ter aumentado apesar de ter diminuído uma estação? Nem Einstein explica!

Um comentário:

Anônimo disse...

Sensacional! Ela disse tudo o que sempre tive vontade de dizer!