SP 459: do barraco assobradado ao prédio de grife

Tijolo e madeira na Almirante Dellamare
O caos urbano, que é a marca registrada da paisagem brasileira, pode ser tristemente simbolizado pelas 900 mil moradias construídas de forma irregular na cidade de São Paulo, a metrópole mais populosa do continente americano e de todo o hemisfério sul.
A falta de planejamento e a inoperância do poder público na fiscalização permitem que uma boa parte dos quase 11,5 milhões de moradores de nossa querida Sampa, que no último dia 25 completou 459 anos de existência, habitem arremedos de construções, casas feitas sem nenhuma infraestrutura, levantadas à beira de córregos ou invadindo calçadas e avenidas de determinados bairros, como acontece com a Avenida Almirante Dellamare, nas proximidades da Favela de Heliópolis (foto acima).

BATENDO LAJE - De tijolo ou madeira, as casas são levantadas rapidamente e a pífia fiscalização da prefeitura não consegue acompanhar. A prefeitura diz que em quatro anos pretende regularizar 200 mil imóveis, e que este ano já foram aplicadas 70 multas por irregularidades, mas isso é uma gota d’água no oceano, como ressalta o arquiteto Eduardo Nardelli, atual presidente nacional da AsBea (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura).
“É um problema social. As pessoas com menores recursos obviamente vão ficar com os piores terrenos porque são mais baratos ou às vezes até um lugar de graça emque ela se instalou em algum momento da vida", ressalta Eduardo Sampaio Nardelli
No município paulistano, para construir ou aumentar uma moradia, a pessoa precisa apresentar a planta à Secretaria de Habitação, pagar taxas e esperar a autorização para começar a obra. Mas, segundo dados da própria prefeitura, quase 900 mil foram levantadas sem seguir nenhum desses procedimentos. Em 2012, só pra variar, as multas não chegaram nem perto de 5 mil.
Nardell, que também é professor de arquitetura, diz que a explosão urbana nas últimas décadas superou a capacidade do poder público de fiscalizar.
"No final de semana tem o famoso churrasco na laje. Todo mundo se junta, bate a laje e pronto. Em um fim de semana tem um cômodo a mais surgindo.”

Edifício Vitra: apês a 8 milhas cada
GUETOS GRANFINOS - Enquanto isso, nos guetos mais nobres da metrópole paulistana, a assinatura de arquitetos de renome internacional deixa o preço de imóveis 30% mais caros e torna se moda entre os ricaços da cidade, segundo matéria do glorioso Estadão.
As grifes nacionais e internacionais do mercado incluem nomes como Daniel Libeskind, Isay Weinfeld, Gui Mattos, Jonas Birger e Patricia Anastassiadis.
O jornal cita o caso do Edifício Vitra, em obras no Itaim-Bibi, zona sul da cidade. “Projetado pelo polonês Daniel Libeskind, considerado hoje um dos papas da arquitetura mundial, o prédio terá forma de uma escultura triangular, com paredes revestidas em vidro e 14 apartamentos avaliados em R$ 8 milhões.”
E a coisa vai por aí afora mostrando os contrastes berrantes da metrópole iniciada pelos jesuítas, e que não foi “torcida” quando era pequena e hoje tornou-se um pepino gigantesco.

Veja mais nos links abaixo:

Auditório lotado na troca de governo em Boituva


Edson assume com compromisso de mais
empregos e igualdade de oportunidades
Povo superlotou auditório do Centro de Eventos para ver a posse
Eleito com mais de 16 mil votos, Edson Marcusso tomou posse neste dia 1º de janeiro como prefeito de Boituva diante de uma galera que superlotou o auditório do Centro de Eventos da cidade. Ao lado do vice, Juninho Barbosa, Marcusso, iniciou o seu quarto mandato como chefe do Executivo boituvense com o compromisso de promover o desenvolvimento com qualidade de vida, criar empregos, distribuir melhor a renda e estabelecer igualdade de oportunidades.
Pedindo que os vereadores que acabavam de ser empossados, as lideranças locais e cada cidadão “cerrasse fileira nessa luta”, o carismático Marcussso destacou que será preciso “trabalhar forte e rapidamente para promovermos a universalização do acesso do boituvense à saúde pública”.
Marcusso: está decretada a liberdade
“Um atendimento humanizado, acolhedor, respeitoso e ágil são as palavras de ordem aos servidores públicos em geral, em especial aos da saúde”, frisou.

EMPREGO E RENDA A geração de empregos, por meio da vinda de novos empreendimentos, será foco imediato de sua administração. “Para isso, já estamos trabalhando. Estivemos em visita oficial à República da Irlanda. Fomos até a Câmara de Comércio Brasil-China. Estivemos na Fiesp, no Senai, na Etec e no Ifesp, e já veremos os frutos desse trabalho neste próximo ano. A qualificação da mão de obra local virá com a inauguração do Senai no primeiro trimestre e da Etec no segundo semestre de 2013, além de novos cursos no Ifesp em 2014, inclusive o curso de Engenharia. Tudo isso gratuito” , enfatizou.

CASAS POPULARES Marcusso também enumerou ações no campo da habitação. “Não podemos nos esquecer de direcionar esforços para a construção de moradias populares. Já fomos ao CDHU, à Caixa Federal e ao Banco do Brasil para viabilizar os predinhos e  o Minha Casa, Minha Vida. No primeiro trimestre de 2013 serão abertas as primeiras inscrições para as moradia.”
Uca também criticou governo passado
Na área educacional destacou pontos com os quais pretende revolucionar o ensino municipal.
Vamos trazer a família para dentro da escola, com período integral, acesso amplo às ferramentas da informática e, o mais importante, criar um ambiente saudável de convivência e trabalho, principalmente, respeitando e valorizando os profissionais da educação, em particular o professor.

PAU NA GESTÃO PASSADA Apesar de destacar que o passado é passado, Marcusso não deixou de alfinetar a administração anterior, pedindo que fossem esquecidos “os anos que vivemos atormentados pelo medo e pela opressão daqueles que pretendiam manipular a vontade por meio da imposição da força. Hoje, está decretada a liberdade em nossa cidade. Liberdade de pensar e, portanto, discordar. Liberdade de agir e fiscalizar, liberdade para juntos, buscarmos o progresso de Boituva”.
Juninho e Edson, de punhos cerrados, vibram ao final da cerimônia
O vereador Joelmir Pereira Camargo, o Uca da Escolinha de Futebol, do PSC, também mandou lenha contra a administração anterior, comandada pela então prefeita Assunta Labronice. “Prometi ao meu pai que não ia falar da gestão passada. Mas tenho um compromisso com meus eleitores e não posso fugir dele. E a prefeita não liberou um prêmio de final de ano que está na lei para os professores da rede municipal de ensino, que ficaram sem dinheiro para as festas”, afirmou, arrancando aplausos e gritos de apoios da plateia.

MESA DIRETORA  Com votação sempre de oito votos contra cinco foi formada a mesa diretora da Câmara, que assim ficou composta: Hernando Aquino (Dr. Hernando, PV), presidente; Adilson Aparecido Leite (Adilson Eletricista, PTB), vice-presidente; Sidnei Bom (Nei Bom, PSD), 1º secretário; e Fabrício Amaro, 2º secretário.
Pelos resultados da eleição da mesa dá para perceber que Marcusso inicia seu mandato com maioria na Câmara. De 13 vereadores, tem oito do seu lado.