TUCANOS LIDERAM RANKING DOS CANDIDATOS QUE EMPORCALHAM AS NOSSAS VIAS PÚBLICAS

Se você estiver puto da vida com cavaletes, cartazes e todo tipo de propaganda eleitoral emporcalhando as vias públicas pode fazer sua denúncia na plataforma LixoPolítico.com, que foi montada para ajudar a fiscalizar, denunciar e acompanhar o comportamento dos candidatos e partidos em todo o País. O site tem um ranking dos porcalhões e, na categoria Partidos, quem lidera são os tucanos do PSDB - até as 17h55 do dia 25/9, registravam mais de 700 ocorrências. 
O amigo internauta entra lá e aponta os caras de pau que fazem divulgação inadequada em sua campanha política e aproveita pra riscar da lista de voto o candidato porcalhão.
EM TODAS AS MÍDIAS Por meio da plataforma você pode enviar quantas fotos quiser de propaganda do candidato em espaço público. É possível postar:
Via Twitter utilizando #lixopolitico #sp99 (Estado e número do candidato);
Por Instagram usando #lixopolitico #sp99 (Estado e número do candidato);
Diretamente no site LixoPolítico.com utilizando celulares, tablets e computadores.
Para denunciar os candidatos a presidente, tanto no twitter como no Instagram, a # deve ser: #br e o número do candidato – sem espaço, tudo junto.
A ideia é não só fiscalizar, quanto formar um ranking dos políticos porcos que está dividido por: Candidatos, Partidos, Cidades, Estados e, esta semana entrou no ar, Cargos Disputados
DENÚNCIAS SÃO ANÔNIMAS O projeto LixoPolítico.com foi idealizado pelos empresários da área de Tecnologia: José Octávio de Castro Neves Jr, Fabrício Silveira e Gabriel Verta, que decidiram criar a plataforma para todo cidadão cansado de ver tanta propaganda pelas ruas que emporcalham a cidade, entopem os bueiros quando chove e ainda agridem o meio ambiente possam se manifestar.
“Decidimos criar um ambiente digital onde as pessoas podem denunciar, fiscalizar e compartilhar como estão agindo os candidatos e partidos. Além dos rankings em tempo real, após as eleições vamos compilar todas as denúncias e divulgar. Queremos iniciar uma discussão referente ao impacto disso no meio ambiente e a legalidade dessa divulgação política”, explica Neves Jr.
As denúncias são anônimas, porque o objetivo é mostrar o comportamento dos políticos e todas as fotos enviadas ao site LixoPolítico.com são verificadas. Apenas as que são validadas pela equipe da plataforma são publicadas.
Com apenas 15 dias no ar, o LixoPolítico.com já contabiliza mais de 2 mil fotos/denúncias, o que representa quase 1% do universo de 24.330 mil candidatos que concorrem a cargos no país inteiro.

Faça suas fotos e denuncie.

OS MALES DO BRASIL SÃO: MUITA SAÚVA E POUCO FORMIGUEIRO. FALTA DE MORADIAS CHEGA A 6 MI

As fotos foram tiradas ao entardecer desta quinta-feira, 18/9,  Agrupados num dito "Movimento Moinho Vivo", o pessoal deixou a Favela do Moinho e marchou pela Avenida Rio Branco, nos Campos Elíseos, em São Paulo, com uma mulher num carro de som esbravejando que iam bater na porta do Haddad, o digníssimo alcaide paulistano.
Se foram ou não, veremos daqui a pouco pelas emissoras de TV e amanhã pelos jornalões. Pelo visto, como o anunciado pela mídia, os fatos registrados na terça-feira de cão em São Paulo, após uma reintegração de posse na avenida São João, servirão mesmo de estopim para uma série de ações dos movimentos de sem teto em Sampa e pelo Brasil afora.
FALTA POLÍTICA HABITACIONAL Em que pese o oportunismo de grupos políticos e os interesses escusos por trás de alguns desses movimentos, o certo é que o Brasil tem um déficit habitacional que beira os 6 milhões de moradias. Interessante que esse assunto nem é mencionado nos debates entre os nossos ricos presidenciáveis... Quando tocam no assunto é apenas para falar da continuidade ou não do Minha Casa, Minha Vida... Um programa cheio de falhas, que, com certeza, não vai resolver nem 1/3 da problema.
O que falta mesmo é uma política habitacional séria, sem embromação. Mas quem se habilitará?





PASSARINHO QUE ACABA DE SER DESCOBERTO NO SUL DO BRASIL JÁ ESTÁ AMEAÇADO DE EXTINÇÃO

Nem bem foi descoberta por pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e a patativa-tropeira (Sporophila beltoni) já está na lista de bichos em extinção. O estudo que levou à descoberta, conduzido por Márcio Repenning e Carla Suertegaray Fontana, com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, foi publicado no periódico norte-americano The Auk – American Ornithologists’ Union após mais de oito anos de pesquisas.

Até então se acreditava que a patativa-tropeira era da mesma espécie que a já conhecida patativa-verdadeira (Sporophila plumbea). Porém, após uma pesquisa financiada também pela Fundação Grupo Boticário, percebeu-se que ela possuía características que a diferenciavam das outras, tratando-se de uma nova espécie. “A ave recém-descoberta possui plumagem e canto diferentes, além de usar seu habitat de forma própria”, explica Repenning. O nome popular da nova espécie é alusivo aos limites da área de reprodução e regiões por onde a ave migra. Essas áreas coincidem com as regiões da rota que os tropeiros utilizavam no Sul do país, desde o século XVIII, para conduzir rebanhos e carne seca que seriam comercializados no Sudeste brasileiro.

A patativa-tropeira ocorre desde o nordeste do Rio Grande do Sul até Minas Gerais, nos biomas Mata Atlântica e Cerrado. Porém, apesar de ter como distribuição uma extensão razoavelmente grande, incluindo diversos estados brasileiros, essa espécie já ‘nasce’ ameaçada. Um dos motivos dessa realidade é porque a reprodução da espécie acontece nos campos naturais em bom estado de conservação das regiões altas e montanhosas do Sul, como os Campos Gerais do Paraná, o Planalto Catarinense e os Campos de Cima da Serra do Rio Grande do Sul, sempre em áreas junto da Floresta com Araucárias, ecossistema bastante ameaçado.

SEM CAPIM NO FRIO Após o período de reprodução (de novembro a março), a chegada do frio mais rigoroso no Sul faz com que o capim utilizado pela patativa-tropeira não frutifique mais. Com a redução na disponibilidade do alimento, a ave migra temporariamente para o Bioma Cerrado, em áreas de Minas Gerais principalmente, permanecendo na região de abril a outubro.

Os campos de altitude associados à Floresta com Araucárias, onde a espécie se reproduz, vem sofrendo drasticamente em decorrência da contínua e rápida degradação e fragmentação dos ambientes naturais, bem como da substituição de espécies nativas por exóticas como o pinus (Pinus elliottii) e o barramento de rios para geração de energia. A própria Floresta com Araucárias tem apenas 3% de sua cobertura original, sendo alvo contínuo do avanço agrícola desordenado que destrói cada vez mais os ambientes naturais. Repenning explica que a patativa-tropeira depende desse ecossistema misto (em mosaico na paisagem), considerado praticamente extinto. “Ela necessita de áreas específicas para se reproduzir e que invariavelmente estão próximas a matas ciliares ou entremeadas com manchas de capões de florestas típicos dos campos com araucárias, por isso a necessidade de se conservar esse ecossistema tão ameaçado”, comenta.

"NÃO É SÓ NO DOMINGÃO, QUEREMOS NO SÁBADO FECHAR O MINHOCÃO", PEDE POVO NO ELEVADO

Eram muitas as palavras de ordem, mas a principal começou a ser entoada por Danilo Tomic, músico e ator que interpreta Indigênio, um morador de rua que carrega seu piano-carroça para todo canto, cantando e declamando poemas de Paulo Leminski. “Não é só no domingão, queremos no sábado fechar o Minhocão”...
Convocada pela internet, como virou moda, para o bem e para o mal, a “1ª Caminhada pela Abertura do Elevado Costae Silva, o Minhocão, também aos sábados” fez barulho na alça da rua Helvétia, na região da Santa Cecília.
Ator e músico Danilo Tomic e o piano-carroça do personagem Indigênio
A ideia é que o Minhocão, que já é aberto aos pedestres nos domingos e feriados, seja também vetado aos carros nos sábados. Na manifestação de sábado, dia do aniversário da cidade, os manifestantes pediam também que o elevado fosse transformado em parque.

CONDOMÍNIO DE SEM-TETOS  Reportagem do Estadão, dia 24/1, porém, condena o Minhocão – a ligação Leste-Oeste da capital paulista – a ser demolido,
Em frente ao Metrô Marechal Deodoro, sem-tetos fazem acampamento
"Em dez anos, será demolido", sentencia o arquiteto Lourenço Gimenes. "Demolido mesmo, sem essa de transformá-lo em parque como o High Line de Nova York (parque linear criado em uma estrutura desativada de trem elevado). Mantê-lo significa continuar criando uma sombra permanente, com espaços pouco acolhedores abaixo dele e uma relação ruim com os prédios ao lado", afirma Gimenes ao Estadão.
Na parte de baixo do elevado, no trecho da Avenida General Olímpio da Silveira, o canteiro central do Minhocão transformou-se num verdadeiro condomínio de sem-tetos.
Renata Falzoni registra imagens para www.bikeelegal.com
Ali, há famílias instaladas e, segundo apurou NP, os espaços são alugados e comercializados como se fossem casas ou apartamentos. Triste realidade desta Sampa de contrastes magníficos.