LADROAGEM NO PREÇO DOS OVOS DE PÁSCOA, 449% MAIS CAROS QUE BARRAS DE CHOCOLATE

COELHINHO DOS OVOS DE OURO
Não bastasse o bangue-bangue jurídico-político que joga no lixo as leis e a Constituição, detonando a economia e mergulhando no desemprego milhões de brasileiros e brasileiras, a ganância da indústria do chocolate mostra que não tem limites nem escrúpulos. Nesta quinta-feira, 24/7, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) disparou levantamento que aponta diferença de 449% no preço dos ovos de Páscoa, em comparação com as barras de chocolate e abusos na publicidade dirigida ao público infantil e perfil nutricional fora dos critérios da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).
A análise realizada entre os dias 7 e 18 de março, em São Paulo, com 68 produtos de oito marcas diferentes, selecionou os ovos que possuem algum tipo de prática abusiva e identificou elementos de comunicação presentes. O levantamento constatou que os apelos mais frequentes são os visuais, como embalagens coloridas e o uso de personagens infantis, apesar de serem consideradas ilegais pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC) e pela Resolução 163/3014 do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente).

BRINQUEDOS GOELA ABAIXO “Outra irregularidade acontece quando os ovos vêm acompanhados de verdadeiros brinquedos e não meros brindes. Isso representa venda casada, que  é vedada pelo CDC, já que o presente não pode ser comercializado separadamente”, explica a nutricionista do Idec, Ana Paula Bortoletto.
Com relação a qualidade nutricional, a pesquisa destaca que os produtos ultrapassam os limites recomendados pela Opas. O açúcar, por exemplo, é o primeiro item da lista de ingredientes de todos os ovos. Também foram encontrados emulsificantes e aromatizantes. Portanto, não são recomendados como parte de uma alimentação adequada e saudável. “Claramente, os benefícios do cacau não vão ser compensados pela quantidade de açúcar e gordura presentes”, diz Bortoletto.

COELHINHO DOS OVOS DE OURO Por fim, as enormes diferenças de valores entre ovos de Páscoa e as barras reforçam ainda mais o problema. Em média, 100g de chocolate dos ovos custa 449% mais caro do que a mesma quantidade de chocolate em barra. Ou seja, o preço médio da barra é de R$ 7,74, enquanto que o do ovo é de R$ 24,62. Para a nutricionista, “a presença de publicidade infantil e o formato do chocolate faz com que o consumidor pague muito mais caro, por menos produto”.
O Idec espera que a recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reverta esse cenário, pois  “a situação se torna ainda mais abusiva por estimular o consumo de produtos que não são recomendados com parte de uma alimentação saudável”,  finaliza Bortoletto.
Nos próximos dias, o Instituto irá divulgar uma lista com as marcas avaliadas e as respostas das empresas sobre os resultados. O material será encaminhado para os Ministérios da Justiça e Saúde, afim de que os órgãos tomem as devidas providências.